Judeus não dizimam atualmente

Felizmente, teólogos judeus têm melhor conhecimento do que seus colegas teólogos cristãos. Eles estão bem informados de que somente os levitas têm o direito de receber o dízimo das pessoas. Afinal de contas, os líderes judeus têm o Antigo Testamento como sua Escritura e é isso que ela ordena. E já que não existe Templo atualmente (e, consequentemente, levitas ordenados ou sacerdotes servindo no Templo), então um fator importante no cumprimento das leis do dízimo não existe em nosso mundo moderno.

Considerando isso, pode ser de grande valor falar de algo que aconteceu comigo há mais de trinta e cinco anos quando eu estava apenas começando a estudar teologia na faculdade. Uma carta me fora entregue para responder. Era de uma mulher que ouviu que os judeus modernos não estavam dizimando. Ela queria saber se a informação era verdadeira, e se sim, por que os judeus aparentemente violavam as simples leis da Bíblia que falam do dízimo como uma lei a ser obedecida?
Tendo lido a carta, comecei a me preocupar com o assunto também. Para resolver a questão, telefonei para três rabinos na área de Los Angeles para conseguir explicação. Para grande espanto meu, todos os três, independentemente um do outro, me informaram que nenhum judeu religioso deve dizimar hoje. Fiquei surpreso com suas respostas. Isso parecia ser uma evidência de que os judeus eram tão relaxados com a interpretação bíblica que eles estavam abandonando até mesmo as simples palavras de sua própria Escritura sobre as leis do dízimo.

Até que eu falei com o último rabino, minha indignação como jovem estava começando a surgir. Mas, em seguida, o rabino sabiamente começou a me mostrar minha falta de conhecimento (não a dele) em toda a questão. Primeiro, ele admitiu que ninguém de sua congregação paga um centavo de dízimo que era exigido no Antigo Testamento. Ele então disse: “Se algum membro da minha sinagoga dizimar na forma como está na Escritura, ele estaria desobedecendo a lei de Deus, ele estaria pecando contra Deus.”


Fiquei perplexo ao ouvir sua resposta. Ele passou a me informar que desde que a Bíblia exige que o dízimo deve ser pago aos levitas, ele disse que seria errado pagá-lo a qualquer outra pessoa. E ainda, porque não há atualmente nenhuma ordem levítica oficial de sacerdotes ministrando em um Templo de Jerusalém, o que torna ilegal neste período pagar qualquer dízimo bíblico. Ele chegou a dizer, no entanto, que no momento em que um templo for reconstruído, com seu altar em operação e com o sacerdócio oficiando naquele altar (e os levitas lá para ajudá-los), então todo judeu que vive nas áreas de entrega do dízimo mencionadas na Bíblia será obrigado a dizimar de acordo com os mandamentos bíblicos.

Este ensinamento foi uma revelação para mim (como pode ser para alguns de nossos leitores), mas o rabino deu as respostas bíblicas adequadas. Para pagar o dízimo bíblico, neste momento, sem levitas e sacerdotes ordenados em suas funções normais e fazendo o serviço no Templo, seria “pecado” tanto para o doador quanto para o receptor. O rabino disse-me: “Se estamos obedecendo à lei, não podemos pagar o dízimo, se não o pagar aos que são ordenados por Deus a aceitar esse dízimo”.
O rabino explicou que, embora ele fosse o rabino-chefe de sua sinagoga, ele não era um levita. Ele disse que era descendente da tribo de Judá, e, assim, não qualificado para receber o dízimo. A mesma desqualificação aplicava-se mesmo a Jesus Cristo enquanto ele estava na terra desde que ele também foi reconhecido como tendo vindo da tribo de Judá. Esta mesma restrição era aplicável às atividades do apóstolo Pedro (porque ele era também de Judá) e aplicada ao apóstolo Paulo (porque era da tribo de Benjamin). Nem Cristo, nem os apóstolos eram levitas, assim todos estavam desqualificados a receber qualquer parte do dízimo bíblico. É simples assim.

E, preste atenção, se Cristo, Pedro e Paulo não usaram o dízimo bíblico para qualquer um dos seus trabalhos no ensino do Evangelho, os ministros cristãos de hoje não deveriam usar o dízimo bíblico também. As autoridades judaicas religiosas são sábias o suficiente para entender o que a Palavra de Deus diz sobre o dízimo e, felizmente, eles permanecem nessa mesma Palavra. Mas os nossos pregadores e sacerdotes (padres, pastores, presbíteros, etc) gentios se preocupam pouquíssimo com o que os textos bíblicos realmente ensinam e seguem confortavelmente em seus caminhos inventando suas próprias leis do dízimo que são diferentes daquelas da Bíblia.

O rabino então me deu algumas informações sobre o método que muitos judeus usam hoje para garantir fundos adequados com os quais operam suas organizações religiosas. Ele passou a dizer que as atividades de sua sinagoga foram apoiadas financeiramente por meio da adoção do “sistema patrono” pelos seus membros. Ou seja, as famílias compram assentos na sinagoga por vários preços a cada ano. O rabino mencionou que muitos de sua congregação realmente pagam mais de um décimo de sua renda para obter melhores lugares na sinagoga. Este método de captação de recursos é perfeitamente apropriado (do ponto de vista bíblico) se os judeus desejarem usá-lo. Isso ocorre porque o dinheiro é pago à sinagoga e não a um sacerdócio levítico ordenado.

O último rabino estava interpretando corretamente os ensinamentos da Escritura Sagrada. Enquanto muitos ministros cristãos atualmente ensinam que os cristãos podem estar correndo o risco de perder a salvação se eles não pagarem dízimo para a igreja, rabinos judeus têm um conhecimento melhor e não afirmam uma coisa dessas. Eles percebem que é biblicamente indevido (na verdade, é uma desobediência flagrante às leis da Bíblia) para qualquer um pagar ou receber o dízimo bíblico hoje. E qualquer líder eclesiástico ou ministro que usa o dízimo bíblico (ou qualquer um que paga a um ministro o dízimo bíblico) é um pecador aos olhos de Deus.


Fonte: http://www.askelm.com/tithing/thi003.htm