ANÁLISE DO TEXTO DOS PARAMETROS CURRICULARES NACIONAIS PARA O ENSINO MÉDIO

ANÁLISE DO TEXTO DOS PARAMETROS CURRICULARES NACIONAIS PARA O ENSINO MÉDIO

O PCN referente ao ensino médio em ciências humanas e suas tecnologias tem o objetivo de preparar o educando para a vida, para o exercício da cidadania, para sua inserção qualificada no mundo do trabalho e capacitá-lo para o aprendizado permanente e autônomo, não se restringindo a prepará-lo para a outra etapa escolar ou para o exercício profissional. Desta forma, o ensino de História, articulando- se com as outras disciplinas, busca oferecer aos alunos possibilidades de desenvolver competências que os identifiquem e os instrumentalizem a refletir sobre si mesmos, a se inserir e a participar ativa e criticamente no mundo e na sociedade.


O ensino de História desempenha um papel importante na configuração da identidade, ao incorporar a reflexão sobre a atuação do indivíduo nas suas relações pessoais com o grupo de convívio. O ensino de História para as séries do ensino médio amplia e consolida as noções de tempo histórico, é preciso que o tempo histórico seja entendido como objeto da cultura, como criação de povos em diversos momentos e espaços. A contribuição mais substantiva da aprendizagem da História é propiciar ao jovem situar-se na sociedade contemporânea para melhor compreende-la.

O objetivo do ensino de História no Ensino Médio é o desenvolvimento de competências e habilidade cognitivas que conduzam a apropriação, por parte dos alunos, de um instrumental que lhes permita analisar e interpretar as situações concretas da realidade vivida e construir novos conceitos ou conhecimentos.

Tendo em vista a impossibilidade de estudarmos o conteúdo total da História humana, os conteúdos programáticos opera por seleção, baseada em noções culturais e historicamente estabelecidas. A organização curricular destaca alguns acontecimentos considerados como marcos, para a partir deles construir um quadro didático onde os acontecimentos são estabelecidos numa continuidade, organizado por uma lógica de causas e consequências, tema e subtema para serem estudados de forma articulada entorno de uma problemática determinada. Eixos temáticos como: cidadania: diferenças e desigualdades, cultura e trabalho, transporte e comunicação no caminho da globalização, nações e nacionalismo. Diversidade cultural, conflitos, representações do mundo social, formas de organização social, consolidação da cidadania, pensamento político e ação do estado, características e transformações das estruturas produtivas. 
O PCN não exige que os temas sejam tratados igualmente. A diversidade existente no país exige adaptações às realidades da região ou mesmo da escola e ainda orienta o acréscimo de temas locais para integrar os temas transversais.
A metodologia e recursos com aulas expositivas, participativas, debates em sala, resolução de atividades, trabalho e pesquisa, leitura, debate, aula com a utilização de multimídias, a constante contextualização da aprendizagem e a interdisciplinaridade levando o aluno a criticar, analisar e interpretar fontes documentais de natureza diversa, reconhecendo o papel das diferentes linguagens, dos diferentes agentes sociais e dos diferentes contextos envolvidos em sua produção, produzindo textos analíticos e interpretativos sobre os processos históricos, a partir das categorias e procedimentos próprios do discurso historiográfico, situando os momentos históricos nos diversos ritmos da duração, para comparar as problemáticas atuais e de outros momentos históricos para posicionar-se diante de fatos presentes a partir da interpretação de suas relações com o passado. Compreender a sociedade, em seu processo de formação e mudanças, e os múltiplos fatores que nela intervêm como produtos da ação humana, considerando a si mesmo como agente social e aos processos sociais como orientadores da dinâmica dos diferentes grupos de indivíduos. O PCN observa a necessidade de ter nas competências cognitivas um dos objetivos da formação do aluno, também sujeito ativo no processo de aprendizagem e parte do processo de construção do saber histórico.
A avaliação, parte integrante do processo educativo, é vista como um elemento que fornece a melhoria da qualidade de aprendizagem. É contínua e sistemática, para o professor, fornece elementos para refletir sobre sua prática pedagógica. Para o aluno é um instrumento que proporciona informações sobre as suas dificuldade e conquistas. A avaliação, contemplada nos PCN é compreendida como: elemento integrador entre a aprendizagem e ensino; conjunto de ações que busca obter informações sobre o que foi aprendido e como foi aprendido, conjunto de ações cujo objetivo é o ajuste e a orientação da intervenção pedagógica para que o aluno aprenda da melhor forma, elemento de reflexão contínua para o professor sobre sua prática; instrumento que possibilita o aluno tomar consciência de seus avanços, dificuldades e possibilidades; ação que ocorre durante todo o processo de ensino e aprendizagem e não apenas em momentos específicos caracterizados como fechamento de grandes etapas de trabalho. Conforme o PCN, o docente pode realizar a avaliação mediante: observação sistemática, análise da produção dos alunos e atividades específicas para a avaliação.

Portanto, compreender a sociedade, sua gênese e transformação ao longo do processo de ocupação humana e construção histórica, analisando os múltiplos fatores, sociais, econômicos, políticos e culturais que nela intervém, por meio da indagação, análise e problematização, percebendo-se agente partícipe deste processo  constitui-se o objetivo do ensino de História.